Últimos Artigos

04/04/2018

Congresso derruba veto do Refis das PMEs e libera parcelamento de dívida tributária do Simples; entenda

Leia na Íntegra…

02/02/2018

Anulada alteração de beneficiários de seguro de vida feita por segurado supostamente alcoolizado

Leia na Íntegra…

01/02/2018

Moraes suspende lei de Rondônia que impedia cobrar ICMS de igrejas e templos

Leia na Íntegra…

30/01/2018

TRF1 RECONHECE DIREITO DE CRÉDITO DE PIS E COFINS SOBRE DIREITO AUTORAL/ROYALTIES

Leia na Íntegra…

30/01/2018

Mantida indenização de R$ 3 mil a homem que se machucou em buraco na via pública

Leia na Íntegra…

25/01/2018

Desembargador de MS usa WhatsApp para falar com advogados

Leia na Íntegra…

24/01/2018

Por confusão societária, juiz decreta falência do jornal Diário de S. Paulo

Leia na Íntegra…

24/01/2018

Exercer função de confiança por mais de 10 anos garante estabilidade financeira

Leia na Íntegra…

15/01/2018

Demissão coletiva sem ouvir sindicato é inconstitucional, decide juíza de SP

Leia na Íntegra…

11/01/2018

Em casos específicos, ciência inequívoca dispensa intimação formal sobre penhora

Leia na Íntegra…

Utilidade Pública

28/08/2008

Lista de remédios com seus genéricos e similares

Leia na Íntegra…

Localização

Rua Martiniano de Carvalho,
864 - 11º andar - Cj 1104
São Paulo - SP - 01321-001

Telefones

(55-011) 3284-3276
(55-011) 3284-1167
(55-011) 3287-3940

Administração

Boletim On-Line

Moraes suspende lei de Rondônia que impedia cobrar ICMS de igrejas e templos

QUESTÃO TRIBUTÁRIA

Moraes suspende lei de Rondônia que impedia cobrar ICMS de igrejas e templos

                  

31 de janeiro de 2018, 17h58

Impedir a cobrança de ICMS sobre as contas de luz, água, telefone e gás de igrejas e templos religiosos põe em risco o orçamento do Estado. Assim entendeu o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, ao suspender lei de Rondônia que impedia a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços sobre esses serviços em imóveis que sediam instituições religiosas.

Ministro Alexandre de Moraes destacou que a responsabilidade fiscal tem uma posição de destaque na Constituição. Fellipe Sampaio/STF

A isenção foi concedida no ano passado, pela Lei estadual 4.012/2017. O governador do estado, Confúcio Moura, alegou que a normaafronta o artigo 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), segundo o qual a proposição legislativa que crie renúncia de receita deve vir acompanhada de estimativa de seu impacto orçamentário ou financeiro.

Como o texto descumpre a exigência, o autor disse que a lei contraria o interesse público e a regra ficada no ADCT, vinculada à responsabilidade fiscal.

Alexandre de Moraes concedeu liminar ainda em dezembro, antes do recesso forense. Para ele, a norma geradora de renúncia de receita realmente deixou de estimar reflexos orçamentários e financeiros.

Levando em conta os riscos orçamentários e o perigo da demora da decisão, o ministro considerou atendidos os requisitos necessários para a concessão liminar. “O fundamento constitucional é claro, devendo ser prestigiado com máxima força, porque a idéia de responsabilidade fiscal ocupa patamar de especial posição no quadro dos valores constitucionais”, afirmou.

Segundo a decisão, os favores fiscais devem atender a critérios precisos, entre eles a confirmação de que serão direcionados a fins próprios e diretamente às entidades religiosas, citando precedentes do STF sobre o tema. A decisão será submetida a referendo do Plenário.  Com informações da Assessoria de Imprensa do STF. 


ADI 5.816

 

Revista Consultor Jurídico, 31 de janeiro de 2018, 17h58

 

FONTE: https://www.conjur.com.br/2018-jan-31/moraes-suspende-lei-ro-impedia-cobrar-icms-igrejas

 Envie este artigo para alguém conhecido


VÍDEOS


Voltar